Análise SWOT: gerando valor no planejamento estratégico

Análise SWOT: gerando valor no planejamento estratégico

Muito comum no ambiente corporativo, a análise SWOT é uma ferramenta de gestão consagrada que permite resultados por meio do conhecimento profundo dos pontos fortes e fracos do negócio, permitindo ações práticas.

versão 2015 da norma ISO 9001 tomou a análise do contexto interno e externo no qual as organizações se inserem como um passo obrigatório. Com isso, a análise SWOT voltou à tona nas empresas que desejam obter a norma ou renovar a certificação.

Apesar de antigo e abordado na maioria das formações ligadas à administração, se esse método for realizado da forma errada o plano de ações não terá a eficiência desejada, tampouco um resultado nivelado pela ISO 9001.

Por isso, esclarecemos neste post as principais informações que você precisa para garantir sucesso no diagnóstico empresarial e compreensão do cenário mercadológico em que a sua instituição estiver inserida.

Utilizando a análise SWOT, você poderá suprir os novos requisitos da ISO 9001 e ter a base necessária para tomar decisões. Vamos lá!

O que é análise SWOT?

Em inglês, a sigla SWOT agrupa as palavras Strengths, Weakness, Opportunities e Threat. Em português, a tradução dessas palavras monta a abreviação FOFA: forças, oportunidades, fraquezas e ameaças.

No método, é importante conhecer tanto a empresa quanto o mercado. Para começar, entender quais são as forças da empresa é refletir sobre os fatores positivos internos. Tudo o que puder ser listado como vantagem competitiva em relação às outras organizações entra no pacote. O cruzamento desses dados com as fraquezas nos processos definirá a situação interna do empreendimento.

Quanto à análise do ambiente externo, a ligação entre as oportunidades e ameaças revelará o diagnóstico. Trata-se de levar em conta os fatores positivos e os riscos relacionados ao mercado.

Para que serve a análise SWOT?

Como percebemos, a metodologia é capaz de ampliar a visão dos gestores quanto a todas as situações que impactam o negócio, sejam internas, sejam externas. Ao obter um diagnóstico corporativo, é possível adquirir firmeza na tomada de decisões.

Falar de decisões, muitas vezes, parece menos abrangente ou importante, mas imagine poder prever e reduzir os riscos na hora de lançar um novo produto, definir novas estratégias de marketing ou explorar um novo mercado.

Além de permitir antecipação dos movimentos externos, a análise SWOT possibilita a compreensão mais apurada dos concorrentes, indicando até mesmo alternativas de ação.

Colocar essa metodologia em prática não é assunto tão complexo. Você só precisará entender a essência da análise e saber como mapear os ambientes externo e interno.

Essa facilidade de implementação tornou a tarefa amplamente repetida em empresas de diversos portes e segmentos por empreendedores e líderes preocupados com uma ambientação segura antes de tomar importantes decisões.

A análise SWOT pode ser usada em qualquer momento em que seja necessário fazer uma escolha. O exercício de identificar as oportunidades e as ameaças de mercado posiciona o gestor diante de um caminho de expansão e de retração.

Feito isso, ao mapear as forças e fraquezas que virão a atrapalhar esses caminhos é possível definir um planejamento estratégico com base nas medidas que serão tomadas para potencializar ou anular os fatores encontrados.

Quais os conceitos da análise SWOT?

A combinação dos quatro elementos que monta a sigla SWOT é responsável por definir o sucesso da análise. Se você quer obter um diagnóstico de confiança integrando as necessidades da gestão, é necessário investir em um mapeamento de qualidade.

A seguir, destacamos as partes que deverão ser analisadas.

Forças

Quais as aptidões mais fortes da sua empresa? Nessa abordagem, é preciso levar em conta as vantagens da corporação em relação à concorrência, ressaltando as características que a posicionam melhor.

Fraquezas

Quais as aptidões que prejudicam o desenvolvimento dos negócios? Listar os pontos fracos internos requer uma observação isolada das fraquezas da empresa, em busca de compreender a raiz dos problemas.

Detectar essa parte exige a preocupação de descobrir o motivo pelo qual as dificuldades encontradas existem. Assim, você estará a caminho de minimizar cada fraqueza levantada.

Honestidade é muito importante para que esse pedaço do diagnóstico corresponda à realidade integral da organização. Afinal de contas, só há um meio de consertar uma falha revelada: assumindo-a. O primeiro passo para resolver um problema é assumir que esse problema existe. Então, relate tudo o que julgar ser um problema, ou seja, o que for considerado como vulnerável em seu negócio.

Oportunidades

Daqui em diante, a análise condiz com fatores externos. Mapear as oportunidades é saber quais são as características que influenciam positivamente uma empresa, lembrando que é impossível controlá-las.

Uma pesquisa avançada poderá ajudar a identificar mudanças político-econômicas, ampliações do crédito ao consumidor ou outros eventos com impacto sobre o empreendimento.

Ameaças

São os eventos externos que podem influenciar a empresa negativamente, colocando o planejamento estratégico em risco.

O que é análise SWOT cruzada?

Depois que você fizer todo o levantamento, identificando cada categoria expressa no fundamento da análise, é preciso fazer o cruzamento de dados.

Mapear as informações não serve para muita coisa se não puder ir até o fim. Portanto, uma vez que você tem os dados em mãos, já é possível transformá-los em estratégias a partir da verificação dos possíveis movimentos.

A análise SWOT cruzada é o mesmo que entender como as forças, as fraquezas, as ameaças e as oportunidades conversam entre si.

Para cada cruzamento, é importante saber criar objetivos relevantes para o futuro da empresa. Sendo assim, você poderá fazer as seguintes combinações:

  • pontos fortes x ameaças = estratégia de confrontação para transformação do ambiente a favor da empresa;
  • pontos fortes x oportunidades = estratégia ofensiva/evolução e melhoria das vantagens competitivas;
  • pontos fracos x ameaças = estratégia de defesa com alterações profundas para manter a empresa protegida;
  • pontos fracos x oportunidades = ações de reforço para melhor aproveitamento das oportunidades.

Como percebemos, a análise SWOT não é nenhum bicho de sete cabeças. Pelo contrário, é uma ferramenta fácil de ser aplicada, mas que exige certo nível de conhecimento sobre o mercado e a própria empresa.

Isso porque, enquanto faz a análise, o gestor se depara com muitas verdades. Uma das tarefas mais difíceis é identificar as fraquezas dentro da organização, sem contar o esforço demandado na hora de avaliar o ambiente externo.

Apesar de difícil, no final das contas, conhecer a realidade na qual a instituição está fundamentada é um benefício incrível. Somente a partir dessa fase será possível tomar decisões com base em informações concretas, reduzindo as chances de insucesso futuro baseado em achismos.

O processo poderá trazer um aprendizado memorável para os membros da sua equipe e atuar como um pontapé para mudanças estruturais que, sem dúvida, farão a empresa se destacar entre todos os públicos envolvidos.

Esperamos que você tenha gostado de aprender um pouco mais sobre a análise SWOT e entender o porquê de ela ser tão útil na ISO 9001, no que diz respeito à concepção do contexto organizacional interno e externo. Curta a nossa fanpage e fique ligado nas novidades desse mercado!

 

No Comments

Cancel